O grande desafio da segurança contra incêndios

  • 0
Incêndio

O grande desafio da segurança contra incêndios

Tags : 

Um incêndio pode ocorrer em qualquer lugar, mesmo onde menos esperamos. Com as perdas causadas pelo fogo estimado em 1% do PIB global a cada ano, a segurança contra incêndio deve ser vista de uma perspetiva mais ampla como uma ferramenta de gestão de risco e mitigação de desastres.

A indústria da construção é um setor chave para as atividades de segurança contra incêndio. Mas o fogo também pode estar associada aoutras áreas importantes, tais como os transportes, a segurança industrial, incêndios florestais ou desenvolvimento urbano.

A existências de normas para a prevenção do risco de incêndio, gestão dos danos e proteção da vida humana poderão ser uma importante ajuda, fazendo desta forma parte da estratégia de segurança.

Patrick Van Hees, presidente da comissão técnica ISO de segurança contra incêndios (ISO / TC92), explica os desafios que enfrentamos nestas áreas e como as Normas Internacionais desempenharm um papel fulcral. Este lança ainda que existe ainda muito trabalho a fazer em áreas que ainda não foram exploradas.

A segurança contra incêndios assenta na redução de riscos para as pessoas, os bens e o ambiente. Conte-nos sobre os principais desafios nestas áreas?

O principal desafio é, talvez, a segurança contra incêndios em si mesmo, independentemente de estarmos a falar de pessoas, bens,ou ambiente, a preservação do patrimônio histórico ou de produção industrial. A segurança contra incêndios deve apresentar -se no topo da nossa lista de prioridades, pois, muitas vezes, é posto em prática para resolver problemas após o acidente.

Em todas estas áreas o desafio de proteger as pessoas assenta na questão de como lidar com uma sociedade em envelhecimento e altas concentrações de pessoas em áreas densamente povoadas. O comportamento humano, neste contexto, torna-se cada vez mais importante. Para a proteção da propriedade, o desafio é garantir que a tecnologia moderna e os produtos ou materiais inovadores são introduzidos com o mesmo nível de segurança.

O ambiente tornou-se a prioridade número um em todas as agendas e precisamos garantir que temos as medidas e normas adequadas, de lugar para preservá-lo do fogo. Muitas vezes esquecemo-nos que a poluição causada pelo fogo é quase tão elavada quanto a poluição criada pela produção de energia e pelos transportes. Reduzir o risco de incêndio é, portanto, fundamental para a proteção ambiental.

A engenharia da segurança contra incêndio encontra-se em crescimento como especialização? Que benefícios podem trazer as normas ISO para o mercado de segurança contra incêndios?

Os engenheiros do ramo da segurança contra incêndio já utilizam as normas ISO. Na verdade, a engenharia da segurança contra incêndio utiliza novas ferramentas e métodos e por esse motivo esta necessidade clara de fornecer normas padronizadas. A ISO tem sido um dos principais motores, desenvolvendo muitos padrões nesta área.

Existem diversos novos campos para investigar relacionados com a segurança contra incêndio, tais como os transportes, incêndios industriais ou incêndios florestais. Quais são os principais desafios nestas áreas e quais padrões são necessários?

Uma área importante cuja necessidade de padronização é elevada é a interface entre a floresta / incêndios florestais e zonas urbanas. A ISO deve ser ativa e começar por esta área tão importante. O desafio, porém, é encontrar especialistas que estejam dispostos a ser pró-ativoa na criação daISO. E a necessidade é global como temos de assegurar que temos os métodos adequados para observar, prever e mitigar a propagação de incêndios florestais, mas também para proteger as pessoas, os bens eo ambiente em caso de incêndio.

Outra área de investigação poderiam ser os incêndios industriais. O desafio aqui é a diversidade de atividades, e é necessário mais apoio para a engenharia e métodos que geram entrada para estas análise com base no risco.

Finalmente, devemos tentar introduzir muitos dos nossos padrões em sub setores de transporte, como carros, autocarros, comboios, navios e aviões. Um exemplo perfeito do uso de normas internacionais nesta área é da Organização Marítima Internacional, que se refere a uma série de normas ISO nos seus procedimentos de teste de fogo.

A análise custo-benefício também é essencial para a segurança contra incêndio e uma série de estudos recentes têm demonstrado as vantagens das medidas de proteção. Esta também poderia ser uma área de padronização dentro da ISO.

E sobre segurança contra incêndios em países desenvolvidos e em desenvolvimento? Existe uma diferença em relação às suas necessidades, prioridades, etc.?

Nós certamente conseguimos observar a diferença. Enquanto os países desenvolvidos também podem querer se concentrar em normas regionais ou mesmo nacionais, os países em desenvolvimento têm uma necessidade muito maior de normas internacionais. O processo de desenvolvimento padrão é demorado e a ISO é um bom fórum para realizar este debate dentro de um prazo aceitável. No entanto, também é importante que estejam envolvidos o maior numero de países em todo o mundo, independentemente de se tratar de países em desenvolvimento ou desenvolvidos.

A segurança contra incêndio é regulamentada em cada país. Qual é a relação entre as normas internacionais e a regulamentação nacional? Como podem as Normas Internacionais desempenhar um papel a nível nacional e em que setor?

Em muitos casos, há uma utilização clara de normas ISO na regulamentação nacional e regional. O que é importante aqui é disseminar o conhecimento e existência destas normas internacionais, que podem desempenhar um papel em muitos setores da indústria e na regulação. A normas de segurança contra incêndio ISO são frequentemente utilizadas a nível nacional, ou mesmo regional para fins regulamentares
Um exemplo são os padrões de teste da Europa no que diz respeito à reação de materiais de construção. Os métodos de ensaio para os Euroclasses baseiam-se em vários padrões ISO, originalmente desenvolvidas por ou em cooperação com, ISO / TC92. Em termos gerais, isto significa que, para temas relacionados com o fogo, muitas das normas de produtos que servem como base para a marca CE têm links para as normas ISO. Este é um exemplo que nos deve servir como mote de reflexão para a vontade de expandir a normalização da segurança contra incêndio para outras áreas!

Fonte: iso.org

Categorias

Pretende fazer a transição para a ISO 9001:2015?